,

1001 questões de Direito Constitucional: entrevista com o autor Vítor Cruz (+ dicas de como passar em concursos)

segunda-feira, 20 de setembro de 2010 Deixe um comentário

Nosso blog entrevistou o Vítor Cruz, mentor do projeto 1001 questões, que são livros de questões comentadas de diversas disciplinas. Em nossa conversa, Vìtor me falou da importância de se resolver questões de concursos, como foi a sua preparação para concursos e deixou dicas valiosas.


1 - Vítor, de onde você tirou a ideia de escrever um livro com 1001 questões de apenas uma banca examinadora?


Desde que eu comecei a ter os primeiros contatos com concurso público há uns 6 anos, sempre diziam coisas do tipo: "Pense como a banca", "Diga o que a banca quer ouvir, mesmo estando errado"... Percebi isso na prática, temos que nos alinhar ao pensamento da banca. Eu cheguei a ser reprovado em um concurso público justamente porque não "pensei como a banca", mas quis usar meu conhecimento sobre o tema, ainda que ele estivesse baseado em um pensamento majoritário.
Nos livros da coleção 1001 eu consegui materializar uma das maiores necessidades que eu tinha quando concurseiro - livros que trazem muitas e muitas questões, de uma banca examinadora específica para promover um alinhamento de pensamento e o melhor de tudo: com comentário sucintos para que não haja perda de tempo, gosto de pragmatismo... concurseiro tem 10, 20, 30 matérias para estudar, não pode perder tempo.


2 - Por que resolver questões é importante?


Resolver questões é o principal passo do estudo para concurso, isso mesmo "o principal"! Digo isso porque resolvendo questões (principalmente as comentadas) você de uma só vez poderá:
a) testar seus conhecimentos.
b) fixar o que você estudou.
c) identificar as lacunas do seu estudo e aprender algum ponto da matéria que você não conseguiu compreender só com a teoria.
d) identificar a tendência daquela banca examinadora, que provavelmente será mantida nas próximas provas.
...
...
Ficaria até amanhã falando dos benefícios! O concurseiro tem que resolver questões como se estivesse jogando um video-game, ou seja, ter prazer em "derrotar a banca" e passar horas por dia fazendo isso...



3 - Ao responder as 1001 questões, você encontrou alguma repetida?


Alguma não... algumas, ou melhor, várias e várias! Eu fui obrigado a retirar dezenas de questões dos meus "1001´s", pois elas já estavam sendo chatas, toda hora se repetindo.


4 - Você foi aprovado em qual concurso? Por que resolveu se dedicar à vida docente? Fale um pouco de sua trajetória: quantas horas por dia você estudava, por quanto tempo você estudou e quais os principais livros que você indica para concursos?

Eu fui aprovado no meu primeiro concurso quando tinha 15 anos de idade, ingressando na Marinha do Brasil através do Colégio Naval. Na Marinha, me formei oficial em 2007.
Embora eu tenha me formado apenas em 2007, comecei a "respirar concurso" em 2004/2005, 3 anos antes de pegar meu diploma.
(Gostaria de aproveitar e falar um pouco também das "derrotas", que foram muito úteis para mim)
Logo após a conclusão de meu curso superior, bati de frente com meu primeiro concurso "real": ICMS-RJ (1)! Estudei como louco, quando o edital saiu estava na Alemanha, na viagem de instrução da Marinha. Passei por lugares como a Tunísia, em que praticamente nada conheci, apenas para me dedicar na rotina incessante de estudo. Resultado: Fui reprovado por não ter alcançado o mínimo por 1 questão de português! Desespero bateu, mas a vida continua e sabia que logo teríamos outro concurso. Após o ICMS-RJ 1, não parei meus estudos (embora tenha desviado o foco para o AFRFB).
Eis que veio o ICMS-RJ 2, deixei o AFRFB de lado e voltei a estudar para o ICMS, estava confiante, já havia saído da Marinha, estudado Português igual a um maluco, não havia nenhuma matéria que me sentisse inseguro. Resultado ICMS-RJ 2 - Mais uma vez reprovado, novamente por 1 questão, agora naquele direito que a FGV chama de "civil" mas que até hoje não sei o que é...rs
Esse resultado foi o que mais me abateu! 2 "lutas" e 2 "traves", e embora com nota para ser aprovado entre as vagas, havia sido eliminado 2 vezes seguidas por 1 questão.
Mas o concurseiro paciente, e que sabe do seu potencial não pode deixar se abalar (eu não sabia disso, nem era um concurseiro paciente, então, me desesperei e muito, mas logo logo o que "está guardado" chega).

Cerca de mês depois do ICMS-RJ 2, estava eu fazendo o concurso de Analista do TRE-GO, nunca tinha estudado para tribunais, somente para área fiscal, diversas matérias novas, estava muito menos confiante do que para os concursos anteriores, mas foi neste que eu conquistei a vitória, consegui a maior nota das provas objetivas e 3ª colocação final (isso para mostrar que não devemos ter medo de mudanças).
Além da vitória no concurso de Analista do TRE, fui também aprovado no concurso do Ministério da Fazenda (6º lugar - Goiás), mas larguei a vida de concuseiro para me dedicar a passar conhecimeto.
Sou de uma família de professores (mãe e padrasto professores de biologia). Sempre fui acostumado a conviver com esse ritmo de livros, ensino e etc... O tempo que passei no fórum concuseiros também me mostrou que eu poderia utilizar esse meu conhecimento e a facilidade em transmiti-lo para ajudar outros candidatos. Passava horas e horas tirando dúvidas, principalmente daqueles iniciantes no estudo, em pouco mais de um ano, já possuía mais de 4000 posts.
Atualmente sou extremamente realizado com o que faço: ensinar os "atalhos" da aprovação. Eu errei muito em minha preparação e hoje ensino meus alunos a não cometerem estes erros, para que não precisem esperar 2, 3, 4 anos para serem aprovados.
Não vou indicar livros específicos, mas gostaria de dizer que se existe um atalho para a aprovação, esse atalho se materializa em uma dobradinha: "o completo domínio da norma seca" + "resolução incansável de questões".
Não existe concurseiro de alto nível que não se dedique à resolução de questões, nem que tenha desconhecimento dos preceitos da "lei seca" (seja qual banca for)!!!
Por este motivo escrevi as minhas 2 principais obras:
- Constituição Federal Anotada para Concursos = Para facilitar o estudo da norma constitucional;
- Projeto 1001 questões = Como disse, uma coleção de livros que trazem uma infinidade de questões, com comentários sucintos para que não haja perda de tempo, de uma banca examinadora específica para promover um alinhamento de pensamento.

5 - Se você tivesse que deixar apenas duas dicas para os nossos leitores concurseiros, quais seriam?

1ª. Concurso é profissionalismo, seriedade, não é brincadeira, mas também não é martírio. Não se mate de estudar, tenha seu momento de lazer, mas não se esqueça que só o estudo irá te aprovar, logo, tenha seriedade no estudo e pacência nos momentos difíceis.
2ª. Não se esqueça da principal fórmula: "domínio da norma + resolução de questões = "sucesso" !!!


Gostaria de desejar muito sucesso a todos os leitores, e excelentes estudos.

Obrigado,

Vítor Cruz

5 comentários »

  • concurseiraadvogada disse:  

    Professores André e Vítor Cruz.
    .
    Entrevista ótima, que nos dá ânimo para prosseguir nos estudos.
    .
    Também acho que pragmatismo é ideal. Muito boa a dica da dobradinha. Mas juntaria a ela a teoria. Tenho errado muitas questões em concursos por desconhecimento de doutrina e jurisprudência.
    .
    Maria Oliveira

  • Anônimo disse:  

    Otima entrevista, bom saber que si lutamos ou melhor si tivermos objetivo chegamos aonde queremos.

    OBS: o que vem ser esse "dominio da norma"?
    Email: keylacsc@hotmail.com

    Keyla Soares

  • Valeria Diniz disse:  

    O que vem a ser domínio da norma? Também pergunto.
    valeriadiniz@veloxmail.com.br

  • Leila Tozetto disse:   Este comentário foi removido pelo autor.
  • Leila Tozetto disse:  

    Domínio da norma = domínio da letra da lei


    Gente, Tô contentinha!!! Ganhei um desses no sorteio do site!! Já aviso q vou comentar alguma coisinha a medida q as questões apareçam q é para disseminar o conhecimento!!! Muito obrigado ao Blog, por me dar essa oportunidade de aprender mais um pouquinho!!

    Opps: Erro de português não dá....

  • Deixe seu comentário!